Como começar uma CSA

Se você é agricultora ou agricultor ou um grupo de pessoas que pretende iniciar uma CSA, preparamos uma trilha para te orientar nessa caminhada.

Várias CSAs já foram criadas e estão em pleno funcionamento no DF. Com elas, muitos documentos e ferramentas de apoio à gestão foram elaborados e testados. A Rede CSA Brasília alimenta uma pasta no Google Drive com esse material que você pode acessar pelo nosso site em Ferramentas para sua CSA.

Estamos sugerindo uma série de passos importantes para a criação de uma nova CSA, mas tenha sempre em mente que cada CSA é única e que a ideia é ter por onde se guiar. O mais importante é lembrar sempre dos princípios de uma CSA e buscar as melhores (e mais criativas) maneiras de alcançá-los.

Então, vamos começar!

O primeiro passo é se aprofundar no que é CSA, essa tecnologia social onde a agricultura é apoiada pela comunidade. Neste site e em www.csabrasil.org você encontra muitos conteúdos publicados. Comece assistindo os Vídeos, pois é um formato bem agradável para absorção do conteúdo. Navegando pela Internet você também encontrará várias matérias e entrevistas relatando as experiências de uma CSA. E no canal da CSA Brasil no Youtube também tem uma lista de vídeos para te apoiar nessa fase.

Também existem formações em CSA de forma presencial. São mais escassas, mas caso você tenha a oportunidade de fazer, não deixe pra depois, valem muito a pena. Siga os perfis no Instagram (@rede.csa.brasilia e @csa_brasil) e Facebook (csa.brasilia e comunidadequesustentaagricultura) e acompanhe o que rola por lá. Caso um outro estado esteja promovendo uma formação daremos destaque por esses meios.

Familiarizada(o) com os princípios que norteiam uma CSA e a parte teórica compartilhada nesses materiais, as próximas duas etapas podem ser desenvolvidas em diferentes ordens, sendo essa escolha dependente da análise da sua realidade. Em algumas CSAs de Brasília, os agricultores primeiramente avaliaram os custos e números de cotas que seriam ideais para sua produção e depois fizeram a mobilização de coagricultores a fazerem parte da comunidade. Em outras, a mobilização foi realizada inicialmente e o cálculo de custos e cotas foi realizado conjuntamente entre agricultores e coagricultores. Em outras ainda, ambos os processos foram se desenvolvendo paralelamente, retroalimentados um pelo outro.

Mas antes de seguir para o detalhamento de cada um deles, temos umas perguntas: você já produz uma quantidade diversificada entre verduras, legumes, frutas, ervas e temperos? Você teria quantidade suficiente para fornecer cestas com 10 a 12 itens para 15 a 20 famílias semanalmente? Se sua resposta for “ainda não”, é bom entrar na pasta PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA. Ali você encontrará um material bem completo para apoiar seu planejamento de produção. Esse é o momento para refletir sobre os princípios da produção orgânica, local e sem intermediários; da valorização da agricultura familiar; e do fortalecimento da agroecologia, que norteiam as CSAs. Caso já exista um grupo formado e este decida começar com menos itens, não tem problema. Lembre-se: CSA é uma escultura social em constante movimento.

Para o CÁLCULO DE CUSTOS E COTAS, é fundamental que você tenha na ponta do lápis todos os custos e gastos para a produção. Os modelos disponíveis na pasta FINANCEIRO irão te ajudar a detalhar e ter todo esse mapeamento de forma transparente para apresentar ou construir conjuntamente com os coagricultores. Aqui é uma boa oportunidade de recordar e colocar em prática mais dois princípios das CSAs: o incentivo da prática da economia associativa e o contato dos coagricultores com a terra. Lembre-se: a comunidade irá financiar sua produção por um período e apresentar essa informação bem detalhada e de forma clara é o início da construção de uma relação baseada na confiança. Se você não tinha o hábito de guardar recibos e notas fiscais e organizar suas despesas, chegou a hora de internalizar essa ação em sua rotina. Sem essa informação não é possível atingir um equilíbrio financeiro.

Na hora de mobilizar pessoas para ingressarem na sua CSA, é bom já definir um nome para ela, pois ajuda na preparação dos materiais de divulgação. Outro passo importante é definir em qual região da cidade será o Ponto de Convivência, ou seja, onde as cestas serão distribuídas e onde ocorrerá o contato mais direto entre os agricultores e os coagricultores, promovendo a relação harmônica entre todos, outro princípio da CSA! Se já houver um local específico, melhor ainda. Assim, ao distribuir o material de mobilização você direcionará para pessoas que moram ou trabalham naquela região.

Dentro da pasta GESTÃO DOS COAGRICULTORES tem outra pasta chamada MOBILIZAÇÃO. Nela existem modelos para você enviar para pessoas que possam se interessar em participar de uma CSA. A ideia é chamar para uma Roda de Conversa, onde a tecnologia social CSA deve ser apresentada, bem como a proposta específica da sua CSA. Nesse momento, é muito legal ter o apoio de agricultores e coagricultores de outras CSAs. Eles participam da roda contando suas experiências e esclarecem dúvidas do dia-a-dia de uma comunidade.

Se você ainda não fez o cálculo do custo e das cotas é hora de voltar nesse passo. Se você já tem uma produção suficiente de itens, a tabela de custos está completa e já conseguiu um número suficiente de coagricultores para dar início às entregas de cestas, já está pronto para dar a largada! O número suficiente é aquele capaz de financiar todas as despesas da produção para a comunidade. Algumas CSAs começaram sem esse número exato, apostando que ele cresceria, conforme a comunidade fosse se desenvolvendo. Isso funciona quando todos os coagricultores se mobilizam para difundir o modelo e buscar novos coagricultores no curto prazo. Se isso ficar somente na mão de quem produz, não vai dar certo. Já tivemos as duas experiências na Rede CSA Brasília. Por isso a importância de concluir ambos os passos: mobilização e cálculo de custos e cotas, que garantem a base para sua CSA!

CSA pronta para começar? Hora de convocar a comunidade para marcar a primeira entrega e definir as comissões de apoio à comunidade. Lembre-se que fazem parte dos princípios da CSA a gestão participativa, democrática e rotativa e a postura de corresponsabilidade. Participar de uma comissão é se voluntariar para contribuir com a gestão da comunidade em alguma área específica. A ideia é que seja por um período pré-determinado, para permitir que outras pessoas circulem pela gestão da comunidade. Geralmente as CSAs possuem comissões de ACOLHIMENTO, COMUNICAÇÃO, CONVIVÊNCIA E FINANCEIRA. Na pasta COMISSÕES, você encontra listas de sugestões de atividades para essas comissões. O foco do agricultor ou agricultora deve ser na produção dos alimentos. As outras funções devem ser exercidas pelos coagricultores.

Últimos pontos. Vamos estabelecer o contato com a Rede CSA Brasília para tirar dúvidas do seu grupo e orientar no que for preciso: Comece preenchendo o formulário disponibilizado nesse link: https://forms.gle/ffLzxLVBKjQBY4W38. As informações ali inseridas servirão para que a Rede CSA Brasília continue a atualizar as informações sobre as CSAs no DF, apoie a divulgação da sua CSA para interessados e possa entrar em contato para compartilhar as ações da Rede. Eleja também um ou dois representantes para participarem do grupo da Rede CSA Brasília no WhatsApp, onde circulam muitas informações e trocas de ideias. No grupo são informadas as reuniões mensais da Rede das quais todos os membros de CSA são convidados a participar. Os representantes escolhidos podem atuar como ponte entre as trocas realizadas junto à Rede e o grupo da sua CSA. Também temos um grupo no WhatsApp específico para os agricultores. E você sempre pode entrar em contato com a Rede pelo e-mail: brasilia.csa@gmail.com.

Agora é colocar as mãos dadas na terra e fazer sua CSA agroflorescer.

Sonho que se sonha junto é realidade!