CSA no Mundo

Em muitos países, grupos ativos de cidadãos vêm estabelecendo compromissos com agricultores locais para compartilhar os riscos e recompensas da agricultura orgânica.

Um século de desenvolvimento urbano rompeu a relação entre as pessoas e a terra onde seus alimentos são produzidos. Em muitos países, algumas décadas de livre comércio levaram muitos  agricultores familiares ao ponto do desespero e falência.

Nos últimos anos, uma longa série de escândalos alimentares – doenças causadas por agentes patogênicos alimentares, contaminações por organismos geneticamente modificados e verificação de altos índices de poluentes químicos – resultaram em uma crise de confiança em alimentos provenientes de grandes explorações agrícolas industriais.

Os projetos locais de produção de alimentos oferecem um retorno à integridade, à saúde e à segurança alimentar das pessoas, com viabilidade econômica para os produtores agrícolas de escala familiar e respeito ao meio ambiente.

Os nomes atribuídos a cada grupo são diversos – CSA (Comunidade que Suporta a Agricultura, TeiKei, AMAP (Association pour le Maintien de l’Agriculture Paysanne), RECÍPROCO, ASC, porém compartilham todos da mesma essência.

Como disse Elizabet Henderson, em 2010, na Urgenci Kobe Conference:

O fato dessa tal  forma de organização sobre alimentos ter tantos nomes é um bom sinal. Uma vez que internalizam os princípios básicos, agricultores e cidadãs-consumidores (co-agricultores) ao redor do mundo estão adaptando  CSA às suas condições culturais locais. Cada projeto sobre alimentos locais adquire forma própria, a partir de seus gostos, necessidades e recursos disponíveis. Quanto mais pudermos aprender sobre como nos sustentar, apoiando um ao outro, mais rápido nós nos movemos em direção a sermos comunidades pacíficas e sustentáveis.

CSA no mundo

Espalhados pelo mundo, em países tão diversos quanto Japão, Estados Unidos, Cuba, França, Marrocos, China, Portugal ou Mali, grupos de pequenos agricultores familiares e de consumidores têm criado comunidades em torno de alimentos cultivados localmente, baseadas em princípios de ajuda mútua, compartilhamento dos riscos e tarefas coletivas.

Na Alemanha, nos anos 60, através do movimento da trimembração social, em Fuhlhagen, perto de Hamburgo, na fazenda Buschberg, as primeiras experiências de comunidades de suporte à agricultura foram feitas entre 350 consumidores e a participação de 3 fazendas.

No Japão, em 1971, Teruo Ichiraku (1906-1994), filósofo e líder de cooperativas agrícolas que alertou os consumidores para os perigos do uso de produtos químicos na agricultura e desencadeou o movimento para uma agricultura orgânica. Três anos mais tarde, um grupo de mães e donas de casa preocupadas com este assunto juntaram-se a um grupo de agricultores familiares e formaram o primeiro Teikei (Parceria). Atualmente, 20 milhões de japonses participam de grupos de Teikei em todo o país.

Em 1985, Jan Vandertuin levou o conceito CSA de Topinambour, perto de Zurique para os Estados Unidos onde Robyn Van En se tornou seu principal entusiasta, difundindo o conceito em conferências de agricultura orgânica e biodinâmica. Ao longo das décadas de 1980 e 1990, na América do Norte, grupos de CSA multiplicaram-se lentamente mas de forma firme, atingindo mais de 1000 projetos no fim do milênio. Atualmente há cerca de 4 milhões de coagricultores no EUA.

Veja o mapa de CSA no Mundo.

(Fontes: www.urgenci.net e PALÍNDROMO N 8 /2012 – Programa de Pós‐Graduação em Artes Visuais – CEART/UDESC)

CSA no Brasil

Em 2011 no Fórum Mundial Social, que ocorreu em Porto Alegre, o conceito da CSA foi apresentado como um dos favoritos, com grande potencial de futuro no Brasil.

As primeiras experiências foram iniciadas no estado de São Paulo e em seguida, a proposta se espalhou por mais 6 estados, alcançando hoje, em 2016,  mais 60 comunidades no país. Acesse o mapa de CSA no Brasil.

Em 2014 foi fundada a Associação CSA Brasil, uma instituição sem fins lucrativos que tem como focos de ação: apoio à formação de CSA, divulgação de informações sobre CSA e criação da Rede CSA Brasil. Visite o site da CSA Brasil.